Higiene sempre à mão: instalação de pias em espaços públicos segue em ampliação pela Cagece

outras

Com o intuito de continuar as ações adotadas no início da pandemia, a Companhia de Água e Esgoto do Ceará (Cagece) está dando prosseguimento ao projeto de instalação de pias compartilhadas, em Fortaleza e no Interior. Nesta fase, a Cagece prevê a instalação de 25 novos equipamentos.

As primeiras duas pias foram instaladas em junho de 2020, em Fortaleza. Desde então, 50 lavatórios já foram montados em todo o Ceará. O foco dessa iniciativa é auxiliar na higienização da população, de forma gratuita, a fim de proteger contra a contaminação pelo coronavírus.

Com o sucesso da ação, novas pias foram instaladas em vários municípios, em locais de fácil acesso e grande circulação de pessoas. As localidades beneficiadas até o momento são: Acopiara, Aracati, Aquiraz, Barbalha, Baturité, Crateús, Canoa Quebrada, Eusébio, Fortaleza, Guaramiranga, Horizonte, Itapipoca, Itaitinga, Jericoacoara, Juazeiro do Norte, Quixadá, Santa Quitéria, Russas, Sobral e Tianguá.

Segundo o superintendente de Negócios da Capital, Rogério Leite, “a ideia é expandir, já que a iniciativa está fazendo sucesso”. Para as 25 pias previstas para serem adquiridas pela Companhia, o investimento total será de cerca de R$ 55 mil, com custo de aquisição médio de cerca de R$ 2 mil por unidade.

Além das despesas de instalação e manutenção, há a constante reposição do sabão líquido e do conserto de eventuais avarias. A ação complementa outros projetos sociais da Cagece, como contêiner de higiene pessoal, distribuição de cestas básicas e isenção da conta de água para famílias de baixa renda.

Interior

O número de pedidos de instalações por parte das prefeituras tem crescido. A previsão inicial era que, das 50 pias já instaladas, 30 fossem para Fortaleza e 20 para o Interior. Porém, com o sucesso do projeto no Interior, novas aquisições devem ser direcionadas especialmente para esses municípios da Região Metropolitana da Capital, além de cidades do Norte e Sul do Ceará.

O projeto será mantido mesmo após o término da pandemia, como prevê o superintendente Rogério Leite: “Deve ser um projeto constante. Independente do coronavírus, é importante lavar as mãos por questão de higiene. Então será um projeto mantido e a quantidade de pias no Interior e na Capital deverá ser aumentada”.

Para a estudante de jornalismo, Danielle Gadelha, ampliar o projeto pode fazer uma grande diferença na luta contra a Covid-19. “Além de bem localizadas, as pias são muito úteis no combate ao coronavírus. E o fato de ter sabonete líquido do lado para que possa ser feita uma melhor higiene das mãos, faz toda a diferença”, afirma.

Como funciona

As pias foram desenvolvidas para a lavagem rápida das mãos. Para acionar a água e o sabão, o usuário precisa apenas acionar um pedal, evitando contato com as mãos e o risco de contaminação. Todos os lavatórios possuem ligação com água e dispenser com sabão, para higienização completa das mãos. Um critério importante para a instalação dos equipamentos é a viabilidade técnica: é necessária a ligação com a rede de água e com a rede coletora de esgoto, simultaneamente. Também é preciso haver espaço suficiente para a instalação do tonel que abriga o sistema da torneira e do dispenser de sabão.

Utilizar com responsabilidade

Um problema recorrente, no entanto, segundo Rogério Leite, tem sido a depredação das pias. Em algumas localidades, como na Praia de Iracema, já foi necessário realizar o conserto diversas vezes. Desse modo, a Cagece pede para que a utilização dos equipamentos seja feita de modo responsável, inclusive quanto ao uso de água e sabão. Justamente para melhorar o acesso da população à iniciativa, as pias costumam ser instaladas em lugares abertos, de grande circulação e segurança garantida, como em praças.

Fonte: Governo do Estado do Ceará

- Advertisement -spot_img

More articles

últimas notícias