Caps II de Taguatinga celebra Dia Mundial da Saúde Mental – Agência Brasília

0
11


“Essas atividades que chamamos de extramuro, ou seja, fora da nossa unidade, são essenciais para eles voltarem a esse convívio social com a população, à participação ativa deles contribuindo para a sociedade, para o Taguaparque, e ajudando sua comunidade em prol de todos”Ivy Suellen Candido da Silva, gerente do Caps II de Taguatinga

Em alusão ao Dia Mundial da Saúde Mental, celebrado em 10 de outubro, o Centro de Atenção Psicossocial (Caps II) de Taguatinga realizou uma atividade diferente para os usuários do serviço. Reunidos ao ar livre, no Taguaparque, cerca de 20 pacientes puderam ajudar nas atividades do viveiro comunitário, localizado dentro do parque. O evento ocorreu na manhã de quarta-feira (13) e contou com a organização e participação da equipe do Caps, além de voluntários do viveiro.

A gerente do Caps II de Taguatinga, Ivy Suellen Candido da Silva, destaca a importância e o caráter terapêutico da ação. “O trabalho do Caps é voltado justamente para a reinserção psicossocial. E essas atividades que chamamos de extramuro, ou seja, fora da nossa unidade, são essenciais para eles voltarem a esse convívio social com a população, à participação ativa deles contribuindo para a sociedade, para o Taguaparque, e ajudando sua comunidade em prol de todos”, explica.

Nayara, que levou a filha Céu para o Taguaparque, considera que a iniciativa “ajuda muito” no tratamento | Fotos: Breno Esaki/Agência Saúde-DF

A ação ecológica envolveu a pintura de pneus do pergolado mantido pelos voluntários do viveiro, além do plantio de uma muda de laranjeira, marcando o dia comemorativo. A ideia, segundo a gerente do Caps, é que atividades como essa sejam semanais, por meio de uma parceria entre a unidade e o viveiro.

Cláudio César Bonadio Benedetti, 31 anos, morador de Taguatinga foi um dos participantes da ação. Em atendimento desde 2017 no Caps, ele revela que sentiu falta das atividades durante a pandemia. “O isolamento trouxe dificuldades. Fez piorar meu quadro. Eu preciso enfrentar, senão piora”, compartilha ele que conta ter transtorno obsessivo-compulsivo (TOC).

Quem também esteve presente na atividade foi a moradora de Taguatinga, Nayara Alves Magalhães, de 33 anos. Ela levou a filha Céu, de 7 anos, para participar também e avaliou que esse tipo de iniciativa ajuda muito no tratamento. “Acho maravilhoso. Desde que entrei no Caps, no fim de 2020, eu via plantas lá dentro e ficava com vontade de aprender a plantar. Esse contato com a natureza ajuda a sair do mental, da ansiedade, que acho que é o que a maioria tem enfrentado agora nesse contexto da pandemia. Respirar ar puro é terapêutico”, comenta.

O viveiro comunitário é mantido com o trabalho de seis voluntários fixos e alguns eventuais. Segundo a coordenadora do viveiro, Mayara Coelho, o local cumpre a função de ser um espaço comunitário para educação ambiental. E afirma que essa parceria com o Caps é muito importante para o trabalho e manutenção do espaço, que conta com horta, mudas para serem plantadas no parque, pomar e o pergolado.

Caps II de Taguatinga

O Caps II disponibiliza tratamento e acompanhamento com equipe multiprofissional composta por médicos psiquiatras e clínicos, psicólogos, terapeutas ocupacionais, equipe de enfermagem e assistentes sociais, por meio de atendimentos individuais e em grupo.

O atendimento nas unidades do Caps II ocorre através de demanda espontânea ou encaminhamento da Rede de Saúde e Intersetorial. Para o primeiro atendimento é indicado que o paciente esteja preferencialmente acompanhado de familiar ou responsável. Os documentos necessários são os pessoais (não é obrigatório para população de rua) e cartão SUS.

O Caps II de Taguatinga funciona de segunda a sexta-feira das 7h às 12h e das 13h às 18h. Os acolhimentos são realizados nos horários das 7h às 11h e das 13h às 17h. A unidade é referência para atendimentos em saúde mental em sua área de abrangência, composta pelas regiões administrativas de Taguatinga, Águas Claras, Vicente Pires e Ceilândia (exceto quadras QNM e QNN).

A unidade atende atualmente cerca de 2 mil pacientes ativos e realiza atendimento de adultos acima de 18 anos em sofrimento psíquico e/ou transtorno mental grave e persistente, seja em situações de crise ou nos processos de reabilitação psicossocial.

*Com informações da Secretaria de Saúde do DF



Source link

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here