Estudo e dedicação garantem medalhas e motivo para celebrar – Agência Brasília

0
33


A vontade de vencer desafios virou rotina na vida do estudante Kauê Rafalovik Bezerra. Aluno da terceira série do Centro do Ensino Médio 1 do Gama, o jovem de 18 anos conquistou ouro na Olimpíada Brasileira de Astronomia (Oba), prata na Olimpíada Nacional de Ciências (ONC), bronze na Mostra Brasileira de Foguetes (Mobfog) e uma bolsa parcial de intercâmbio em Sydney, Austrália, pela olimpíada multidisciplinar Wifa Olympiad.

Com sua atuação, Kauê incentiva a participação nas olimpíadas estudantis | Foto: Mary Leal/Secretaria de Educação

Inspiração para outros estudantes, Kauê incentiva a participação nas olimpíadas estudantis. “Nada melhor do que um bom desafio para despertar e engrandecer paixões, intelecto e autoconfiança. O mais importante é ver que você é capaz de grandes resultados, até mesmo aqueles que não sabia que era possível alcançar. A sensação de ganhar uma medalha é mágica, é indescritível a emoção que se sente”, conta o estudante, que tem planos de cursar engenharia aeroespacial ou engenharia eletrônica em universidades militares.

Desafios

Na edição de 2021, a prova da Oba foi realizada em 27 e 28 de maio, e a da ONC foi aplicada em 5 e 6 de agosto. O registro dos foguetes, na Mobfog, ocorreu de 20 de maio a 10 de junho e a prova da Wifa Olympiad, de 1º a 5 de setembro. Seguindo os protocolos de segurança em relação à covid-19, as olimpíadas foram realizadas em plataformas virtuais.

“Ter um aluno medalhista é um acontecimento muito bom para todos e, em especial, para o ambiente escolar. Muitos alunos se sentiram incentivados a participar nos próximos anos”Márcio Pimentel, professor no CEM 1 do Gama

O CEM 1 do Gama teve mais dois estudantes que se destacaram na Olimpíada Nacional de Ciências: Beatryz Rodrigues Araújo e Brayan Ribeiro do Nascimento receberam menção honrosa.

Para as competições, os estudantes mergulharam em conhecimentos de astronomia, astronáutica, biologia, física, história e química. A parte prática ficou para a Mostra Brasileira de Foguetes, uma olimpíada inteiramente experimental cujo objetivo é a construção e o lançamento de foguetes.

No desafio da Mobfog, Kauê seguiu conhecimentos teóricos para construir foguetes virtuais dentro de um software verificado. O estudante conta que o maior desafio é misturar raciocínio, tentativas e erros para garantir um apogeu (altitude máxima alcançada pelo foguete) alto o suficiente para premiação.

“O que mais me incentivou para participar foi minha grande paixão pelas ciências da natureza, além da vontade de me desafiar. Para alguém que ama o céu e o cosmos por inteiro, acaba sendo muito divertido estudar na preparação para as provas”, argumenta Kauê.

O jovem ainda fala sobre a cooperação no ambiente escolar: “Minha escola me apoiou totalmente durante a preparação e no período das provas, auxiliando com todas as inscrições e as divulgações das olimpíadas aos outros alunos, sempre levando oportunidade para todos do colégio. Minha preparação foi baseada principalmente em resoluções de questões, tanto de provas olímpicas quanto de vestibulares”.

Inspiração e exemplo

Na trajetória de Kauê, a constante vontade de estudar e a forte dedicação têm sido uma marca registrada. Professor responsável por auxiliar estudantes na Olimpíada Brasileira de Astronomia no CEM 1 do Gama, Márcio Pimentel elogia a postura do medalhista.

“O desempenho do Kauê não foi surpresa, apesar de ser uma premiação expressiva. Ele é um jovem estudioso, que se destaca nas escolas onde já estudou. Ter um aluno medalhista é um acontecimento muito bom para todos e, em especial, para o ambiente escolar. Muitos alunos me procuraram após a notícia da premiação e se sentiram incentivados a participar nos próximos anos”, destaca o professor.

*Com informações da Secretaria de Educação

 

 



Source link

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here