spot_img
More

    Latest Posts

    Covid-19 e influenza exigem cuidados semelhantes – Agência Brasília


    “Apesar de a taxa estar em elevação, o número de internações e de óbitos não está. Isso mostra a eficiência das vacinas”Divino Valero, subsecretário de Vigilância à Saúde

    Usar máscara, lavar as mãos com frequência, utilizar álcool em gel e evitar aglomerações. As recomendações são as mesmas tanto para o enfrentamento da covid-19 quanto para da influenza e foram lembradas, nesta quinta-feira (6), durante coletiva de imprensa que tratou do aumento do número de casos das duas doenças no Distrito Federal.

    A Secretaria de Saúde confirmou a existência de 5.805 casos ativos de influenza e 3,1 mil casos ativos de covid-19 no Distrito Federal. O aumento dos números na primeira semana do ano, contudo, pode também estar relacionado a uma maior atenção. “É o aumento da nossa capacidade de vigilância em saúde e da busca ativa”, afirmou o secretário adjunto de Assistência à Saúde, Fernando Erick Damasceno.

    Entre as síndromes respiratórias foram identificados casos de influenza A, influenza B, metapneumo, flu A e vírus sincicial respiratório (VSR), este último mais comum em crianças. “É importante lembrar que esses vírus têm histórico de circulação no Distrito Federal. Neste ano, o que tem ocorrido é uma maior notificação”, esclareceu a chefe do Centro de Informações Estratégicas em Vigilância em Saúde do Distrito Federal (Cievs-DF), Priscilleyne Reis.

    Gestores da Secretaria de Saúde deram coletiva, nesta quinta (6), sobre o aumento de casos de covid-19 e influenza no DF | Foto: Sandro Araújo/Agência Saúde-DF

    No caso da influenza, o diagnóstico dos casos é feito, prioritariamente, de maneira clínica. Após descartada a covid-19, os pacientes recebem o tratamento previsto para doenças do tipo, independentemente do tipo de vírus (influenza A, influenza B ou outros). “O objetivo do exame clínico da influenza não é fazer o diagnóstico. É para ajudar a construir a próxima vacina que será distribuída”, explicou a subsecretária de Atenção Integral à Saúde, Paula Lawall.

    De acordo com Fernando Erick Damasceno, o relevante, no momento, é que os moradores do Distrito Federal somente busquem as Unidades Básicas de Saúde (UBSs) caso apresentem sintomas de doenças respiratórias e que permaneçam em casa enquanto estiverem adoentados, a fim de evitar a circulação dos vírus. O médico fez um apelo também aos empregadores, que devem liberar do expediente pacientes contaminados. “Mesmo o caso gripal precisa ser afastado do serviço”, reforçou. A medida pode evitar, inclusive, o alastramento da doença dentro do ambiente de trabalho.

    É estimado que 209 mil moradores do Distrito Federal ainda não iniciaram a imunização e 179 estão com a segunda dose atrasada

    No caso da influenza, 59,1% dos casos notificados são de pessoas na faixa etária entre 20 e 49 anos. “Trata-se da população que circula com mais frequência”, explicou Priscilleyne Reis.

    Covid-19

    A covid-19 também tem registrado aumento no número de casos. O Índice de Transmissibilidade (RT) chegou a 1,27 com o registro de 760 casos entre quarta e quinta-feira. Há cerca de 3.100 casos ativos no Distrito Federal. O crescimento, porém, tem se concentrado em casos assintomáticos ou com sintomas leves. Até o momento, não ocorreu nenhuma morte por covid-19 no DF em 2022 e dos 55 leitos de UTI específicos para a doença, 18 estão ocupados.

    “Apesar de a taxa estar em elevação, o número de internações e de óbitos não está. Isso mostra a eficiência das vacinas”, afirmou o subsecretário de Vigilância à Saúde, Divino Valero.

    O Distrito Federal se aproxima das cinco milhões de doses aplicadas. Até esta quarta-feira (5), foram 4.970.430 doses, sendo 2.310.839 de D1, 2.124.910 de D2, 58.413 de dose única, 465.689 doses de reforço e 10.579 doses adicionais para imunossuprimidos. Ao todo, 89,62% da população vacinável já recebeu a primeira dose e 84,68% tomaram a segunda dose ou dose única.

    Ainda assim, é estimado que 209 mil moradores do Distrito Federal ainda não iniciaram a imunização e 179 estão com a segunda dose atrasada. “Nós entendemos ser esse o grupo de risco e de agravamento”, disse Divino Valero.

    Estratégias

    O aumento do número de casos de covid-19 já era esperado pela Secretaria de Saúde. Por um lado, houve o aumento do número de eventos sociais durante as festas de fim de ano e a nova variante, a Ômicron, se caracteriza pela alta transmissibilidade. Por outro, houve um aumento da testagem em massa.

    Na quarta-feira (5), os quatro postos de ampla testagem para a covid-19 somaram a realização de 732 testes para detecção do coronavírus Sars-CoV-2. Ao todo, 163 foram positivos, cerca de 22,26%. Os quatro pontos estão localizados no Aeroporto, na Rodoviária do Plano Piloto, nas Unidades Básicas de Saúde 1 da Asa Sul, na 612 Sul, e 2 da Asa Norte, na 114/115 Norte.

    Enquanto o posto de testagem no aeroporto é voltado para passageiros que chegam a Brasília, os outros três atendem toda a população do Distrito Federal. Os testes são recomendados para quem apresenta sintomas da covid-19 ou teve contato com alguém contaminado. Os resultados saem em até 30 minutos. Os locais funcionam das 8h às 17h, de segunda a sexta-feira.

    As demais UBSs também contam com testes para detecção da covid-19, porém o atendimento ocorre conforme a avaliação da equipe multidisciplinar e com a disponibilidade de testes na unidade. Também foi anunciado o plano para ampliar a testagem para mais localidades.

    “Estamos vivendo um novo momento, que não será como a segunda onda, que foi dramática, mas que vai exigir de nós atenção, cuidado e qualidade nas informações”, afirmou o secretário adjunto de Assistência à Saúde, Fernando Erick Damasceno. O gestor ressaltou o reforço do atendimento com a posse de mais 366 enfermeiros concursados, em dezembro, e o plano de contingência para a mobilização de novos leitos, em caso de necessidade.

    Vacinação infantil

    A respeito do início da campanha de vacinação para crianças de 5 a 11 anos de idade, a Secretaria de Saúde do DF depende do envio de doses de vacinas por parte do Ministério da Saúde. A estratégia, o número de postos que contarão com os imunizantes e a convocação das faixas etárias serão definidos de acordo com o ritmo da chegada dos imunizantes. “O DF está preparado para iniciar a vacinação tão logo cheguem os imunizantes”, garantiu o diretor de Vigilância Epidemiológica da Secretaria de Saúde, Fabiano dos Anjos.

    *Com informações da Secretaria de Saúde

     



    Source link

    Latest Posts

    spot_imgspot_img

    Don't Miss

    Stay in touch

    To be updated with all the latest news, offers and special announcements.